26 de abril de 2014

O que  recordo de antes de Abril de 1974!

Nasci 24 anos antes. Entrei para a escola aos 7 anos. Já conhecia as letras e sabia juntá-las e formar sílabas por ter curiosidade em aprender e ter o meu irmão mais velho 3,5 anos. Aproveitava, quando ele fazia os trabalhos de casa. Muitas cópias, muitas contas, muita numeração. Eu pedia-lhe para o "ajudar".
Usávamos batinhas brancas, impecávelmente limpas e tínhamos só uma professora para todas as classes da 1ª à 4ª.
 Fazíamos exames na 3ª e 4ª classes.
A professora tinha autorização dos pais (ímplicita) para nos castigar, incluindo bater.
A vacinação era obrigatória e gratuita na infância! Aos 14 anos podíamos trabalhar.
 Havia caixa de previdência para onde descontavam os funcionários de empresas privadas e uma outra cujo nome não recordo para os funcionários do estado.
Aos 17 anos tive o meu 1ºnamorado. Uma grande paixão!
Andávamos de mão dada pelos jardins e bem juntinho aos muros  mais altos trocávamos uns beijinhos muito rápidos sempre com um olho "no burro e outro no cigano", porque o meu namorado dizia que se pagava uma multa se fosse apanhado a beijar na via pública! Ou na praia! 
 Íamos ao cinema, ou à discoteca que era só à matiné, e aí aproveitávamos para dançar menos e beijar mais! 
O meu pai queixava-se que tinha de ir pagar não sei quanto ao posto porque tinha sido apanhado sem licença de isqueiro!
Por vezes desapareciam pessoas! Em segredo falava-se que tinham sido levadas ! muito em segredo! Essas pessoas só voltavam muitos anos depois! Ninguém ? sabia onde estavam!
Aos 18 anos , a estudar em Lisboa, tive o 2º namorado. Este, sendo aluno universitário, 3 anos mais velho do que eu, e mais politizado , explicava-me algumas coisas, que me surpreendiam muito!
E chegou a madrugada de 25 de Abril , eu fui acordada, abruptamente com vários toques da campainha da porta. Um familiar, veio anunciar-me a revolução!

16 de abril de 2014

1981- 16 de Abril.5ª feira Santa. O milagre aconteceu! 


Acordou meio chuvoso e frio este dia. Durante mais de 40 semanas, tanta alegria, tanto medo, tanta angústia, por vezes, mas bonito, lindo este percurso ! Ir-se formando dentro de mim uma pequena criazinha ! Que maravilha! pensava de mim para mim: toda a mulher merecerá viver tão enorme e feliz experiência!
9,30h- A caminho da maternidade- a grande aventura continuava, a caminho da sala de operações! Aguardámos. Muitos bebés que estavam em maior risco, tinham de ser salvos e passavam à frente!
17,15h - lá vamos, a maca estava á porta da sala há umas horas. Eu, (e minha bebé) com a companhia do pai, ria, cantarolava e contava anedotas! faltava tão pouco para pegar ao colinho a minha linda bébé.!  Eram 17,20 e já se ouvia o chôro forte, o grito ao mundo, CHEGUEI! Agora era o prosseguir dessa aventura, mas a felicidade transbordava para fora do mundo e a força que sentia  cada dia maior varreu de mim toda a ansiedade, angústia e medo. Agora é preciso acima de tudo a ajuda divina , para a fazer crescer harmoniosamente e saudável. Obrigada Senhor por tamanha benção!

15 de abril de 2014

15 de Abril de 2006.- Fim de vida física da minha sempre lembrada mãe!

Eram 12,30h. Notícia brutal! é a filha de...temos notícias desagradáveis! Fico estática, deixo cair o telefone e suplico: não me diga isso! Hoje é o dia de aniversário da minha mãe, não, hoje não pode morrer!! e era sábado de Aleluia e a morte louca, sem olhar a nada , levou-ma!
Corri, sem ver as bermas da  estrada , e fui acariciar-lhe o rosto. Estava ainda morno , talvez porque o seu coração de mãe tenha tentado, não parar antes dos seus 3 rebentos , chegarem! Não permitiu Deus que fosse eu a fechar-lhe os olhos, coisa que eu tanto queria! Falei-lhe muitas coisas nos últimos dias, mas ficou tanto ainda por falar! Foi neste mundo uma lutadora incansável, uma verdadeira força da natureza. Mãe, com tão pouco, tanto me deu! 
Obrigada minha mãe!


12 de abril de 2014

9 de Abril - què do Sol? 

Parece que hoje meteu férias! Fala-se de trovoadas e pequena subida de temperatura? A temperatura não estava má e as trovoadas despensava-as bem!
15h - de volta a Lisboa! aproveito a paisagem de mar à esquerda e à direita as maravilhosas papoilas brancas das estevas e os tons multicores do tojo, da magarça e outras pequenas flores selvagens. 
Avistam-se rebanhos  de ovinos que parecem estátuas com os focinhos colados ao chão! O céu mantem-se cinzento e paira no ar a ameaça de chuva. Aprecio os muitos ninhos de cegonhas com as suas crias que mais parecem pequenas cegonhas de barro pintadas de branco! Por momentos cerro os olhos e faço contas aos dias que faltam para voltar de novo ao meu cantinho abençoado!
8 de Abril  9h    muito sol! 

Como aquece bastante é melhor pensar no protector solar antes de sair de casa e colocar chapéu e óculos escuros.
Pequeno almoço tomado e aí vou eu! Inicio a minha caminhada matinal de cerca de 3km e encho bem o peito de ar perfumado de pinheiro e flor de laranjeira. Passo o dia no palacete a realizar as tarefas programadas. Não todas, por falta de tempo! Ao final do dia regresso acompanhada por uma vizinha amiga,  mas durante todo o tempo vou a pensar no choco com favas, o belo repasto que me espera.! Belíssimo este prato típico da minha terra e de que já tinha saudades. 
Continua o tempo agradável e ainda vamos até à marina para "desmoer". Já se ouve o grilo a cantar, sinal de  que o calorzinho chegou. Vou agora dormir e fechar os estores, para não ser acordada pela luz do farol..
Começam a apertar saudades do meu marido e a desejar que chegue depressa o dia seguinte!

11 de abril de 2014

7 de Abril

Adormeci com o feixe luminoso do farol que passa pela minha janela e acordei com o chilrear de dezenas de andorinhas que voam razando a minha varanda, o arrulhar das rolas na mata e o grito das canoras gaivotas cruzando o rio.
Sabe-me bem ouvir esta sinfonia, mas reparo que o sol vai alto e esperam-me alguns afazeres! Saio de casa, atravesso a praça perfumada de flores de laranjeira e vou "cumprimentar " o meu  manso e esplendoroso rio Guadiana . Dois dedos de conversa com o primo Mário e começa o meu dia!
Já está a "morrer" o Sol , quando volto a casa. Agora, na varanda observo as 3 faixas de cores diferentes no horizonte, do azul ao cinza rosado. Amanhã deverá estar um belo dia!
Dia 6 de Abril- nova viagem, rumo ao Sul.

15h- Grande azáfama no terminal rodoviário. O autocarro com lotação completa, inicia a viagem.Atravessamos a ponte 25 de Abril com o sol a espelhar-se no rio , quase até à sua entrada no oceano.Pontuam-no pontos brancos das pequeninas velas dos barquinhos optimiste em regata! Entre os passageiros ouvem-se várias línguas, do mandarim ao português do Brasil. , algumas crianças e muitos jovens. Uns teclam nos pequenos computadores, outros, de cadernos e livros abertos sublinham e folheiam ávidamente. Vamos descendo a planície alentejana sobrevoada por cegonhas e peneireiros, que espreitam lá do alto em busca de uma possível presa.
Chegamos a Faro. Os jovens saem e o nosso autocarro prossegue a viagem. Como mudaram os tempos : penso de mim para mim! Há alguns anos o êxodo dos estudantes fazia-se apenas no sentido Sul-Norte, e a língua que se ouvia era apenas o português.Hoje, temos uma proximidade e escolha infinitamente maior de universidades e uma multiculturalidade que nos tràs pedaços do mundo! Afinal nos tempos que vivemos nem tudo é menos bom!